Número total de visualizações de página

segunda-feira, 31 de março de 2014

OS EXEMPLOS: DAS PALAVRAS AOS ACTOS .......









ACTO I

É feio, muito, muito feio mentir às criancinhas  …….
As criancinhas aprendem com os adultos ……
Mentir-lhes ….. é ensiná-las a mentir e isso está muito mal !!!!
Festejar o dia da árvore com as criancinhas, fazer discursos lindos às criancinhas sobre a importância das árvores para todo o planeta terra, plantar com elas uma árvore …….. e ……. ao mesmo tempo abatê-las no coração da sua cidade ….. é mentir-lhes !!!!!
É ensinar-lhes a mentir ……..
É ensinar-lhes que podem fazer o que não dizem ……. e fazer o que não dizem !!!!!!  

ACTO II

A indignação pela mortandade de árvores e zonas verdes em Lamego e a sua substituição por empedregulhamentos cinzentões amonta-se e circula em textos de alerta e consciencialização via net ……..  

Abate de espécies protegidas

Atenção Amigos da cantada “Lamego, Cidade Verde”, que já foi!

Pelo fim da tarde de sábado, 08 de Março 2014, foi destruido o conjunto de árvores existente entre o Palácio de Justiça e a Estação de Serviço da REPSOL, agora em desmontagem. O trabalho foi executado prontamente por madeireiros incertos para o que concentraram os meios de corte e transporte necessários para a remoção dos troncos, deixando apenas as ramagens dos mesmos.  A autorização terá partido, naturalmente, da Câmara de Lamego. Do conjunto de árvores abatidas faziam parte cinco sobreiros de bom porte, espécie protegida cujo corte se considera um crime contra a natureza e, como tal, sujeito a sanções. Quer estes espécimes quer outras árvores exóticas igualmente abatidas, encontravam-se em perfeito estado sanitário-vegetativo, como ainda hoje, 12 de Março, se pode deduzir pelos respectivos cepos no local.
Nesta data, 12 de Março, ficam ainda três sobreiros - dois nas traseiras do Palácio de Justiça e um em frente à Central de Camionagem –actualmente os únicos exemplares conhecidos na área urbana, pois outros já tinham tido o mesmo destino, aquando da construção do Pavilhão Multiusos.
Por último, é triste constatar que a descaracterização de “Lamego, Cidade Verde” tem sido uma constante, com a destruição das florestas da Serra das Meadas pelo fogo, com o abate indiscriminado e maus tratos de árvores, com o desaparecimento de espaços ajardinados e anunciada destruição de outros, salvando-se, por enquanto, a Mata dos Remédios e algumas manchas verdes privadas.
O residente,
............................

 
 

O CASPER pergunta se alguém consegue explicar porque é que o José Pereira vice presidente da Câmara do Francisco Lopes, que pelos vistos é engenheiro agrícola, não defende e protege as coisas verdes, as árvores, a flora …..  em Lamego.
 
 

Sem comentários: