Número total de visualizações de página

terça-feira, 15 de maio de 2012

FEIRA DE SANTA CRUZ ...... E CONTORCIONISMOS EQUESTRES !





A Feira de Santa Cruz, também conhecida como Feira do 3 de Maio, tem os seus primórdios na Feira de Santa Marinha que em Lamego se prolongava por 15 dias e recebia como comerciantes mouros vindos de Sevilha e Granada.
Com os tempos …. os mouros foram substituídos por outros comerciantes que de toda a região vinham a Lamego comprar e vender gado e outros produtos agrícolas.  A feira passou a realizar-se junto aos Convento de Santa Cruz, assim assumindo o nome do local onde se fazia e encurtou para um só dia.
Apesar do passar dos seculos, a sua génese manteve-se: comercialização de gado cavalar, bovino e suíno, plantas agrícolas, fruta, artesanato, comida e doçaria regional. As famosas corridas de cavalos (e também de burros e gado bovino, noutras épocas) têm a sua origem na demonstração pelos seus proprietários e comerciantes, da vitalidade, exuberância e saúde do gado cavalar e bovino, utilizado como meio de transporte e ajuda no trabalho agrícola.
Ao longo de seculos a Feira do 3 de Maio manteve o seu cunho de nascimento e vocação comercial e, pelo meio, assistia-se a corridas caseiras de cavalos, burros e gado bovino. 


O Presidente da Câmara Francisco Lopes é um aficionado equestre.
Como todo o equestre que se preze tem um cavalo ………. branco como Napoleão!
Em cima do seu cavalo, altaneiro e vestido a rigor, Francisco Lopes gosta de cavalgar e trotar …
E manifestamente gosta de passear com a família em luxuosas charretes … pelas ruas de Lamego!
Sente-se-lhe o gosto pela arte equestre.
Até aqui …. Nada de mais. Tudo normal. A cada um … pertencem os seus gostos e aficionamentos.
Mas quando olhamos para a Feira de Santa Cruz percebe-se que foi adaptada aos afionamentos equestres.
Perdeu o seu cunho histórico e a sua importância como espaço regional de comercialização de gado, produtos agrícolas, comidas e doçaria regional. Perdeu-se a graça das corridas caseiras …
A Feira de Santa Cruz foi transformada num evento equestre.
Agora, as atenções centram-se nos desfiles e passeios equestres, nas provas de obstáculos, nas corridas de Carros de Atrelagem e nos desfiles de Charretes …
Não negamos que é um espetáculo lindo para os nossos olhos, mas se é para lhe mandar para cima com estes equestríssimos todos, então não lhe chamem a Feira de Santa Cruz e não nos tapem os olhos, repetindo que a tradição se mantém.   
A Feira de Santa Cruz não era e nunca foi um evento equestre!
Passou a sê-lo ….  
Um evento equestre, cujos custos se escondem atrás de Protocolos com a Junta de Freguesia da Sé e a Grupo de Danças e Cantares de Magueija, para onde a Câmara de Francisco Lopes transfere as verbas que o pagam.
A razão, dizem-nos, ser a de  …. “ agilizar alguns procedimentos de liquidação de despesas decorrentes de organização do evento “ !!!
Sim … percebemos.
Se fosse a Câmara a ter de contratar as cavalariças para o habitat dos cavalos que vêm de longe, a contratar as charretes que vêm para desfilar e passear aficionados na cidade …. tinha de abrir concursos públicos e fazer umas tretas de umas papeladas que a lei exige.
Assim, é mais fácil-ó-ágil ……….  
A Câmara entrega os euros públicos dos preços das cavalariças, das charretes e de outras coisas que tais, à Junta e ao grupo que canta e dança, e estes, mandam-nos vir segundo o à Lá Carte camarário e pagam-lhes  …   
Até podemos perceber o envolvimento a Junta de Freguesia da Sé, embora sem necessidade de se misturar no contorneamento dos concursos públicos …. mas o tal de Grupo de Danças e Cantares de Magueija,  é uma turvação desenvergada!   
Não conta a história que Magueija esteja ligada às tradições remotas da Feira de Santa Cruz ….
A ligação deve ser mesmo à cavaleira Presidenta …. e há tal necessidade do mais fácil-ó-ágil para mandar vir e contratar à La Carte as demonstrações equestres que ……….. a Câmara do Francisco Lopes paga!
Está bem visto, naquela onda do contorcionismo ….
A Câmara paga (???)…. e não gasta tempo e papel para cumprir as “tretas” a que a lei obriga, sempre que se gastam dinheiros públicos …..


O CASPER diz que o Francisco Lopes fica tão bem em cima e no andamento da charrete, que bem poderia comprar uma para a Câmara de Lamego e assim poupar nas suas deslocações! 

Sem comentários: