Número total de visualizações de página

domingo, 8 de janeiro de 2012

ÁGUAS ..... NA CASA DE FRANCISCO LOPES !






O Presidente da Câmara de Lamego teve um problema de águas na sua rica casinha, que está plantada do outro lado do rio Douro.
Para o resolver …. foram “arregimentados” 2 bons funcionários da Câmara do Francisco Lopes que costumamos ver pôr aí a consertar rombos nas canalizações, furos, bombagens e entupimentos dos sítios públicos.
Obedientes e muito contentes por terem sido os seleccionados para fazer o agrado “trabalhistico” ao divino patrão, lá foram eles acelerando, cantando e rindo …  no seu horariozinho de trabalho público, tratar de pôr as águas da casa do Sr. Presidente a bombear, subir, descer, girar, borrifar, circular, correr, saltar, pingar …. 
E ficou tudo nos trinques …
Como todas as histórias de encantar, este conto era para ter um final de …viveram felizes para sempre !!
Mas também, como em todos os contos de encantar há sempre um lobo mau, uma bruxa, um monstro, um desmancha-prazeres …. que estorvam a felicidade dos afortunados!
Na história de remendos de águas da casinha do Presidente, o lobo mau, a bruxa, o monstro, o desmancha-prazeres, o estorvo ….  foi um mirone!
Um mirone que para além de abelhudo, ainda por cima detesta histórias de encantar em que os seus impostos sirvam para pagar “remendilhices” nas “aguadilhas” presidenciais!
Por isso, a água entornou …
O abelhudo assanhado atacou. Que o mesmo é dizer: denunciou … preto no branco!
E porque o preto era preto, e o branco ... branco, dito, escrito e registado, por um mirone abelhudo assanhado … abriu-se inquérito e instaurou-se um processo disciplinar aos bons dos 2 trabalhadores das águas  
Investiga daqui, investiga dali, declarações daqui, declarações dali ….. ficou a saber-se que o Presidente da Câmara ........ não sabia de nada!
Francisco Lopes não arregimentou, não pediu, não disse, não assobiou, não viu, não ouviu, não sabia, não sonhou, não percebeu, não topou ….
Pois então …. Nada mais natural!
O mercedes era bem maior e pesado, desapareceu da mesma casinha e o Francisco Lopes também não deu conta …   


Achamos que nesta história de reparações “aguacentas” os inquiridores do processo disciplinar só podem chegar a uma única conclusão!
Os 2 trabalhadores da Câmara de Lamego não só são bons, são brilhantes e do melhor que há!
Os rapazes adivinharam que a casinha do Presidente que fica do outro lado do rio Douro, estava com uns problemazinhos ....
Os rapazes adivinharam que os problemazinhos na casinha do Presidente era de águas e bombagens ….
Os rapazes conseguiram atravessar paredes, portas e portões do lar presidencial para chegar ao âmago do problemazinho ….
Os rapazes tiveram o cuidado de estudar a planta do imóvel, para saberem localizar os torniquetes que fecham e abrem as águas gerais, as canalizações, o poço e bombagens e tudo o necessário ao êxito do seu trabalhinho …
  
Já o Francisco Lopes viu o seu problemazinho de águas solucionado e não soube sequer, quem lhe entrou portas a dentro, para o resolver ….
Francisco Lopes nem sequer deu conta, que não lhe saiu dos bolsos o custo do trabalhinho reparatório …

Os 2 trabalhadores camarários estão tristíssimos e à rasca, porque depois da trabalheira que tiveram em casa do Presidente da Câmara, Francisco Lopes não lhes reconhece – agora – as virtudes, engenhos, talentos, aptidões …  

Temos pena dos trabalhadores porque nos cheira, que vão levar mocada pela sua adivinhação e por terem entrado na casa do big boss para fazerem “consertamentos”, sem ele lhes pedir ou até saber …

Para nós em vez de um processo disciplinar e de serem castigados, os 2 trabalhadores pelo simples facto de tudo terem feito na casinha do Presidente, sem que ele soubesse ou tenha dado conta, merecem “um louvor por feitos inimagináveis” !  


O CASPER acha que a característica de adivinhação e o facto de conseguirem fazer reparações sem serem vistos, transforma estes 2 trabalhadores num bem público que prestigia a Câmara do Francisco Lopes.   

Sem comentários: